Não estou para falar de amor, se ele ainda não dói, nem rói e nem pede flor. Não há flores na minha poesia, pois as arrancadas são mortas, são decoração de sepultura e meu poema é heresia. Conheço esse tal de amor, não encontrei deus algum e amor e deus até podem ser compatíveis mas não dependem um do outro. O único ponto em comum: eles não são invencíveis. Não falarei de coisas que desconheço, pois o meu apreço é pelo amor que sinto e não devo a uma criatura que o senso comum insinua e minha cabeça não atura. Minha escrita é a riqueza que colho do meu presente, mesmo que seja inventado, pois poeta mente, mas não se faz ausente e eu não vivo de passado nem me dedico à tristeza. Só quando fico parado. Grito contra o que abomino e não suporto determinismo. Minha ferramenta é o poema e meu alvo é o sistema. Sou tipo existencialista, meio insano meio analista, falso moralista, talvez sartreano. Tenho a marca da história, todo gaúcho é artista e sou pampeano com muita honra e glória. Sou amigo da filosofia e esta não é feita de fadas nem gnomos e crenças, nem de almas penadas ou universais desavenças. Eu vim aqui escrever poesia e isso para mim não é só brincadeira, pois no fim o que consome energia é o abre e fecha da porta da geladeira
Mostrando postagens com marcador 2017. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador 2017. Mostrar todas as postagens

o sentido da poesia


o sentido da poesia

o que há de belo na poesia?
poucos entendem a sua beleza
se ela não segue a um padrão
sequer se conforma à razão

seja clichê de céu turquesa
ou estrelado de idiossincrasia
um recorte instantâneo do dia
com pouca ou muita certeza

poesia respira e inspira emoção
trajada na lógica ou na abstração
na sua forma revela a fineza
até mesmo se acalma na rebeldia

poesia que brilha na ousadia
e nos encantos da delicadeza
no colo sagrado da construção
onde a beleza apreende a lição

mas ser poeta não põe mesa
então qual o sentido da poesia?
É ser surpreendido algum dia
surpreso com a própria surpresa!

sacharuk

12046771_1514719212183508_694693616406220435_n
Van Gogh

oráculo


oráculo

os búzios são conchas da sorte
e eles trazem mensagens do mar
não há clareza sequer evidência
só confiança na clarividência

a borra de café pode falar
a quem sabe ler o seu recorte
e antecipar do destino o aporte
mas das agruras não pode salvar

aquecer óleos de perfumaria
não vai destravar a sina do dia
mas pode soltar aromas no ar
fazer a cor da aura mais forte

quiçá a divindade se importe
com o incenso aos pés a queimar
questões complexas à cartomancia
respostas tratadas com diplomacia

a quiromante manda espalmar
sabe o dia e a hora da morte
os enredos as dores os cortes
sugere oferendas num alguidar

antever o destino pelas profecias
atende ao desejo das vidas vazias
é preciso coragem para continuar
ainda que a bússola oculte o norte

sacharuk

oraculo

Lírica!


lírica!

Lírica do grito desvairado
Investe teu sonho pervertido
Risca na minha pele nua
Interstícios de suor decantado
Cata as gotas vertidas
Antes que o sol se insinue

Derrama os versos, louca
Ousa recitar ao meu ouvido
Saliva um poema em minha boca

Serve a poética aos seios
Envolta no fogo imaginativo
Incendeia sob o vestido
Os versos do meus desejos
Seduz o meu olhar cativo

sacharuk

lirica

visionário


visionário

o instável momento precário
reluta mas pede a alforria
mas não passa de agrura
e prevalece a feroz criatura

para o ritual de todo o dia
colei uma foto no armário
ao lado do meu calendário
à esquerda dessa poesia

quero verdade mais pura
quero além da simples jura
quero uma doce rebeldia
quero toque mais refratário

nem sei se a mente depura
nem sei se tenho estrutura
nem sei se é outra mania
nem sei se me faço otário

aprendi a não ser solitário
e já sei consertar avaria
já sei cozinhar pra gastura
nem sei se a vida me atura

são as peças do meu relicário
instâncias de toda a ousadia
encantos de vã travessura
sem os toques da amargura

o que dizem que é utopia
fui buscar no meu dicionário
é um tipo de nó visionário
da mais perfeita alegria

sacharuk

IMG_20171130_124437517

o primeiro beijo


o primeiro beijo

o primeiro beijo?
ah essa pergunta
é tanto danada
já não lembro de nada
não lembro do beijo
sequer da beijada
portanto fico
na encruzilhada
sem saber o que responder

sei que assim não se assunta
tantas lembranças o tempo ajunta
e vez por outra ocorre esquecer

mas no presente eu beijo a vida
ela revida bem na minha testa
beijo a poesia beijo a canção
até os frutos que brotam do chão
beijo o cachorro que faz festa
e cada minuto que a vida empresta

sacharuk

1bf80064c9da61477574a08c99a13d8c

desiderato d'outro anoitecer

desiderato d'outro anoitecer

outro dia daqueles...

sem Maria sem sofia
sem argumento sem fé
desfiei aos retalhos
meus instantes

estive em pé
quebrei os meus galhos
mais um dia errante
mais um dia mulher

joguei dentes de alho
no feijão fumegante
esqueci de comer
ficou às baratas

vejo o sol bem distante
e vejo a vida morrer
no desiderato
d'outro anoitecer

sacharuk


Metade


Metade

Tenho pra ti meio poema
escrito meio sem jeito
sobre as pernas meio abertas
meio suando entre as letras
de uma escrita meio atrevida
a espera de uma linha para se esparramar
meio vestida...ou totalmente despida

e por meio do meu meio
que tu me chegas inteiro
murmurando meias palavras
meio sem meias medidas
com intenções meio incertas
metendo a metade a me completar
em versos de poesia
meio proibida...ou totalmente perdida

Angela Mattos & sacharuk

26179690_10209343027926554_1064869980_o

Não há limites no amor


Não há limites no amor

Diga que não há limites no amor
até quando ele vive longa espera
supera os ranços da adversidade
impera sem distância e sem idade

amor rasga a carne feito fera
amor clichê premiado feito flor
amor reflexivo feito o amor
amor giro incontido feito Terra

Diga que não há limites no amor
quando ele desconhece a verdade
é sentimento livre que encerra
o intento genuíno ou impostor

Amor pinta a libido feito cor
Amor corta o peito feito serra
Amor pedra tão dura feito jade
Amor rebrota em viço feito verde

Diga que não há limites no amor
se ele tanto quer felicidade
o amor vê fagulhas nas quimeras
amor que vive paz e vive guerra

sacharuk

4ee51adcba7fa0c118824795a83dd298

das alturas


das alturas

enfrento as forças que ameaçam
desvio de ondas que não banham
das razões
a que eu desconheço
morro nas tramas que me apanham

são tantos ares
eu nem respiro
em tantos lares
eu já não entro
invado espaços que nem habito
moro em zonas que não frequento

viajo alturas que não alcanço
trago loucura para o remanso
sou prisioneiro da liberdade

de asas seguras
eu não canso
a vida é dura
eis o encanto
não é utopia a felicidade

sacharuk

1513024812738

crise econômica - acróstico


crise econômica - acróstico

Crise, que crise?
Ridiculariza o ministério
Investidores inseguros
Subsidiando os apuros
Esperando o revertério

Economia instabilizada
Comércio comprometido
Ociosidade garantida
Ninguém cumpre o prometido
O fim da crise pede ação
Manejo e planejamento
Incentivo à exportação
Com força e dedicação
Alavancar o crescimento

sacharuk

1463097307621

não contes as horas do dia

não contes as horas do dia

não contes as horas passadas
pelas lembranças viajantes
pelo passado de contemplação
por um futuro incerto à razão

não contes as horas do dia
mas cuida que valham a pena
aproveita com toda alegria
valoriza a beleza da cena

os ressentimentos remoídos
ossos das glórias esquecidas
histórias mortas e enterradas
velhos paradigmas corrompidos

não contes as horas do dia
mas cuida que valham a pena
e tenta viver a poesia
que escreve uma vida intensa

não contes as horas do dia
mas cuida que valham a pena
elas passam na ventania
enquanto a morte acena

sacharuk

1-2904-634x0-c-default

incubação

incubação

agora falo sobre campos verdes
não são tão longe da nossa casa
a cidade sem vida só tem paredes
e corpos jogados em cova rasa

poeta se voa é pássaro na rede
morre na clausura ou vira caça
no fogo das letras mata a sede
a semente do verbo traz na asa

e os versos?

ah! decerto virão das paixões
alguma verve ou musa
até da rotina e do ardil

será, meus amigos,
que todo o poeta é senil?

por hora são as vagas impressões
rabiscos tortos daquele que viu
florescer poesia no imenso vazio

sacharuk
6a-shallow-grave-118366191

mente plena - acróstico

mente plena - acróstico

Medita e expira lentamente
Envolva-te na luz dourada
Navega para teu interior
Tenta inspirar calmamente
Estejas focado no nada

Projeta-te ao plano astral
Liberta-te da densidade
Envolva-te na aura da paz
No chacra índigo frontal
Alcança a tua plenitude

sacharukefe59296d24e34db117dfe535575549e

2017 e o passo de zumba

2017 e o passo de zumba

Confirmei minha desconfiança de que o eleitor é corrupto, incapaz, paspalho, frouxo e idiota;
Descobri que o brasil é o país mais rico do planeta, seus políticos e administradores são os mais ricos do planeta e o seu povo sorri enquanto samba a miséria numa passarela de lama tóxica;
Que ratazana não se segrega politicamente em direita e esquerda;
Que o brasileiro não reconhece a própria pobreza... de bens, de alimentos, de cultura e de princípios;
Que para ser um fracasso é necessário tentar e falhar. E o brasileiro é o simulacro de um fracasso.
Que o homem do sexo masculino se converteu em frágil, e agora, as mulheres o encoxam e enfiam o dedo no seu cu, sem pedir antes rsrs;
Descobri que quem reclama ostensivamente da segregação racial e sexual, na verdade, se alimenta da diferença para viver. Não adianta exigir trato igualitário sem conquistar a afeição da outra parte. Ninguém ama à força da lei. Enquanto houver um movimento negro, amarelo ou roxo, as diferenças sobreviverão;IMG_20171113_165925921
Aprendi que dores tratadas com remédios e cirurgias apenas se convertem em novas dores que te matarão. Há algo que deve ser compreendido e tratado para além do corpo;
A indústria de alimentos te enfia veneno em doses cavalares com chancela da saúde pública;
Que a violência não é um problema social relevante nos países onde as pessoas estudam em escolas de verdade;
Que existem mais professores formados trabalhando como comerciários do que comerciários frequentando as escolas;
Que o facebook é um mundo à parte... encantado, branco e azulzinho;
Descobri que a morte é uma contingência... até quando ela ataca de foice na mão, tu podes escapar da lâmina num passo imprevisível de zumba.

sacharuk















Futuro da nação



Futuro do nação

“Tá vendo aquele lá, o carequinha? É filho do Sidnei. Entrou numas de ser do tipo "certinho" mas só levou na cabeça. Virou monge. Uma vergonha para a pobre família. É nisso que dá educar o guri com frouxidão. Gente assim não vai para frente. Já tem idiotas demais nesse país. Educação, Sacha. Educação é o xis da questão. E da falta dela, felizmente, os meus não padecem.
DSCF1571

O Mateusinho, meu filho de oito anos, já disse para mim e para a mãe que quer ser criminoso quando crescer. Já me enche de orgulho desde pequenino. Mas não quero que ele seja criminoso que nem eu, que tive pouca oportunidade na vida. Quero que ele se desenvolva para algo maior, mais gratificante e que ele possa ser um bandido muito orgulhoso do que faz. Imagina, Sacha, se ele chega a deputado federal? Ou senador? Presidente já nem quero, pois o garoto iria ficar muito visado pelos invejosos. Prefiro que ele se conserve num nível mais intermediário no qual ele possa exercer a arte da falcatrua por muito tempo. Ele ainda vai me dar muita alegria.

É de guris como o Mateus que o futuro do Brasil depende. De bandidinho comum esse país já está cheio. Eu educo meus filhos para que eles tenham sucesso! Além disso, quem sabe bem o que quer, aprende como conquistar. Senão, vive correndo e suando para quitar impostos, igual esses fracassados que trabalham. 

Mas monge, igual ao filho do Sidnei, ah, isso o meu Mateusinho jamais vai ser. Que seja pastor, então!”

sacharuk

sob a lua faceira

sob a lua faceira

meu sorriso
desabrocha manso
percorro a fronteira
hasteio a bandeira
em teu mastro

ignoro avisos
rio da cara do espanto

na cama na cadeira
meus rastros
por todos os cantos
do teu quarto

inteira
aos solavancos
no espaço
sob a lua faceira

sacharuk


notas musicais

notas musicais

calada ouvi
tuas estrelas
vislumbrei o teu tudo
naveguei o teu nada

calada eu fiz
as mesmas perguntas
quis sanar minhas dúvidas
permanecias mudo

calada escuto
o silêncio
ainda bem mais
dos silêncios que contas

da tua voz
fiquei surda
e do que de ti
se desprende
só vejo notas
musicais

sacharuk
sad-nude-hitchhiker1

assim me mataste

assim me mataste

inteira fui tua
apenas por te amar
esse foi meu azar
isso foi minha morte

arrancaste uma parte
vingaste a sorte
a palidez da minha cor
tem as marcas do corte

agora sacodes
a tampa do meu caixão
onde jogaste uma flor

a morte é o arrebate
dos choques da desilusão
das dores do desencanto
do amor que batia tão forte
mas bate forte mais não

sacharuk
sonho-caixao

detrás da secura dos prantos

detrás da secura dos prantos

eu quis tanto saber
entender essa cor
que irrompe solene
dos teus olhos brancos

quiçá seja nela
que escondes o amor
bem detrás
da secura dos prantos

eu quis tanto saber
desvendar-te os encantos
os que tu ocultas
tão bem no teu plexo

eu quis tanto saber
explorar-te os recantos

eu quis tanto saber
desnudar-te ao sexo

mas tu ademais
esqueceste o calor
já não queres mais
abrigar-te ao meu manto
sequer circular
entre os meus hemisférios

agora que tu
já provaste o rancor
não mais ouvirás
meu tristes lamentos
não vou mais decifrar
os teus mistérios

sacharuk

securadosprantos

Coração dividido

Coração dividido

Não, não quero
Nem para ti, nem para mim
Um coração dividido
Entre a tristeza e o amor
Indivisível amor
Se me vens
Vens completo
Me queiras por inteira
Não só num momento
Não te peço para ser a primeira
Nem a última
Mas a companheira
Para a qual não mentirás
Não guardarás segredos
Nem tristezas
A qual saberá ser teu porto
Teu corpo
Teu sentido por inteiro
Cuidarei das tuas feridas
Mas por favor não me ofereças
Tuas migalhas, tuas palavras
Se não me sobra espaço em teu coração
Se não me vens com sofreguidão
Posso cuidar do teu coração ferido
Dar para tua vida um novo sentido
Mas não suportarei um coração dividido

Não, não espero
Mais de ti, nem de mim
Um coração repartido
ora espinho ora flor
em dois sentidos
Se me tens
Tens completa
E me comas inteira
Me faças repleta
Não quero só brincadeira
Nem só os riscos
Quero ser a parceira
Para quem contarás
Os teus segredos
As tuas safadezas

Posso cuidar do teu coração ferido
Dar para tua vida um novo sentido
Mas não suportarei um coração dividido

Maria Ligia Caviglioni & sacharuk




25488935_1626980737358665_1148389352_n
poeta Maria Ligia Caviglioni

sacharuk tem o apoio de INSPIRATURAS escrita criativa

último arcano

último arcano mais uma dose de fé uma dose de fel dose de céu de ré de dó dose de sorte uma dose de morte mais uma dose de...